Ação Griô: uma política pública referência de gestão compartilhada em rede no Brasil

Ação Griô Nacional nasceu em 2006 como projeto criado e proposto pelo Ponto de Cultura Grãos de Luz e Griô, da Bahia, ao programa Cultura Viva da Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura. A Ação Griô é uma rede que envolveu 130 projetos pedagógicos de diálogo entre a tradição oral e a educação formal, mais de 750 griôs e mestresbolsistas de tradição oral do Brasil, 600 escolas, universidades e outras entidades de educação e cultura e 100 mil estudantes de escolas públicas.

Ação Griô foi criada em gestão compartilhada em encontros de planejamento e avaliação anuais, com estratégias e indicadores qualitativos de acompanhamento, priorizando a metodologia de processos e o vínculo afetivo, cultural e político entre a sociedade civil e os gestores públicos, através da Pedagogia Griô (*1) criada e sistematizada com a linguagem da tradição oral brasileira para apoiar a Ação Griô na Escola (*2).

O  abrasileramento da palavra Griô (*3) trata-se de uma reinvenção simbólica que unifica os termos que referenciam os representantes das tradições em diveros países, grupos étnicos e regiões. Depois de abrasileirado em 1998, o termo ganhou no Brasil mais de 588.000 citações e páginas na internet em nível nacional e internacional, relacionadas com as tradições orais.

A Ação Griô, a partir desta reinvenção que traz em si uma pedagogia e uma política fundamentadas nas tradições orais, criou e sistematizou uma Ação, avaliada pelo IPEA, como política referência de gestão participativa e diferencial diante das políticas de natureza previdenciária para mestres da cultura popular ou de políticas de salvaguarda propostas pela lei dos mestres e de salvaguarda de patrimônio imaterial propostas pelo IPHAN.

A Ação Griô se posicionou politicamente diante do modelo de transmissão e apropriação do conhecimento, promovendo o diálogo entre os saberes de tradição oral e os espaços da educação formal, se posicionou através da gestão de representantes de comunidades, grupos tradicionais da sociedade civil em parceria com o governo, se posicionou na criação de redes sociais de base e prioridades políticas em conferências nacionais.

Um dos maiores resultados qualitativos conquistados pela Rede Ação Griô foi a mobilização nacional em busca de 1 milhão de assinaturas para apresentar ao Poder Legislativo Federal o projeto de iniciativa popular: a Lei Griô Nacional, já em tramitação no Congresso através do PL 1.786/2011. O resultado da mobilização gerou a minuta da Lei Griô Nacional que foieleita na íntegra como uma das 32 prioridades da política do Ministério da Cultura do Brasil na Conferência Nacional de Cultura (março de 2010) entre mais de 600 propostas, envolvendo mais de 200 mil dirigentes culturais, representantes de conselhos de cultura e comunidades de base em todo o país.

 Lei Griô e a Ação Griô Nacional têm como missão instituir uma política nacional de transmissão dos saberes e fazeres de tradição oral, em diálogo com a educação formal, para promover o fortalecimento da identidade e ancestralidade do povo brasileiro. A Lei Griô tem uma agenda política em andamento para aprovação da Lei em 04 estados do Brasil:Paraíba, Bahia, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Em 2012, a Ação Griô iniciou a execução do projeto de implementação da Universidade Griô que concluirá o convênio até 2013 com 05 Universidades Públicas para realização de Cursos de Extensão e Pós Graduação na Pedagogia Griô (*1) integrados com diversas práticas de diálogo entre tradição oral, educação e cultura digital. Tal ação como as demais geridas pela rede Ação Griô é protagonizada por Griôs e Mestres de Tradição Oral, Griôs Aprendizes e educadoras Griôs em parceria com escolas e Universidades Públicas da rede. O primeiro grande passo da Universidade Griô foi a participação ativa no Fórum de Pró-reitores de Extensão e Cultura para diálogo e implantação de políticas públicas relativas aos cursos de Extensão nas Universidades em diálogo com a  tradição oral brasileira. Os reitores identificam na inciativa da Ação Griô uma estratégia inovadora e concreta para a realização dos objetivos acadêmicos da extensão no Brasil. A Universidade Griô já fechou parcerias e realizou suas primeiras ações com a UFRJ, USP em 2012 e já encaminha parceria com a UFBA, FURG e outras universidades federais para 2013.

Ação Griô na UFRJ

http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2012/10/20/laboratorio-de-politicas-culturais-quer-unir-tradicao-e-conhecimento-academico/

Os resultados quantitativos e qualitativos da Ação Griô comprovam objetivamente não só a organicidade, capilaridade e articulação desta rede como também revelam um alto investimento de recursos públicos neste processo. Estes resultados são um legado para a sociedade de uma gestão compartilhada com o Ministério da Cultura, entre 2005 e 2012 através de um modelo de gestão cultural transformadora.

  1. Indicadores Políticos

 – Uma gestão compartilhada entre 7 pontos de cultura ( coordenações regionais), assessorias pedagógicas e o MinC com 7 projetos regionais sistematizados, sendo apresentados para  coordenar um programa nacional de educação e tradição oral;

– 1 projeto de Lei sistematizado envolvendo mais de 10.000 pessoas em encontros e audiências públicas em todo o país, reconhecido como prioridade na conferência nacional de cultura, além de destaque em consulta pública nacional do plano nacional de cultura;

– Uma comissão nacional de griôs e mestres criada e atuante em gestão compartilhada em rede;

– Frente Parlamentar de Cultura, grupos de artistas nacionais, universidades públicas, conselhos e secretarias de cultura estaduais, forum de conselhos de cultura do Brasil,  Comissão nacional dos pontos e cultura, grupos de cultura digital emancipatórios e mais de 600 entidades articulados e vinculadas em rede apoiando as metas políticas da Ação;

  1. Indicadores Econômicos

 –  R$ 9.000.000 de fundo para bolsas de incentivo mensais e ações diretas com os griôs e mestres de tradição oral em diálogo com a educação formal durante 5 anos que beneficiaram mais de 700 griôs e mestres de tradição oral do Brasil, suas famílias e grupos culturais, envolvendo mais de 600 entidades de educação e cultura;

– Mais de 40 empresas, ongs, fundações e órgãos públicos parceiros que financiaram ou financiam as ações da Rede;

  1. Indicadores Sociais

 – 130.0000 estudantes, educadores, coordenadores, secretários de educação e cultura de 600 ongs, instituições públicas e privadas participando e apoiando atividades de educação e tradição oral que revisam os currículos de educação no País, através de 130 projetos pedagógicos de Ação Griô na Escola (*2) e nas Universidades Públicas.

– 10.000 tradicionalistas e parcerios envolvidos em mais de 50 encontros regionais e nacionais de capacitação, planejamento, avaliação e sistematização, 100 caminhadas dos griôs regionais e 100 visitas de assessorias pedagógicas nas redes sociais de base que são constituídas por escolas, universidades, pontos de cultura e secretarias de educação;

– primeiro lugar nacional no Prêmio Democratização Cultural, primeiro lugar Prêmio Itáu Unicef, Destaque Prêmio Cultura Viva, destaque Prêmio regional de patrimônio imaterial;

As coordenações regionais da Rede Ação Griô: Pontão Ação Griô Regional Ventre do Sol (AL, PE, PB, SE e RN) – Congregação Holística da Paraíba / Ponto de Cultura Escola Viva Olho do Tempo; Pontão Ação Griô Rio de Janeiro (Rio de Janeiro) – Associação dos Amigos do Instituto Histórico; Pontão Regional da Terra (SP, PR, RS, SC) – Associação Nina Griô e CEACA; Pontão Ação Griô Nascentes e Veredas (DF, GO, MS, MG, ES) – Guaimbê Espaço Criativo; Pontão Ação Griô Regional Amazônia (AM, PA RR, RO AC, AP, CE, PI, MA, TO) – A Bruxa Tá Solta e Carimbó Patrimônio Cultural;Pontão Ação Griô Bahia (Bahia) – Associação Grãos de Luz e Griô.

Lei Griô foi formulada por uma Comissão Nacional de Griôs e Mestres de Tradição Oral escolhidos pela Rede Ação Griô e contou com contribuições e participação da sociedade brasileira por meio de encontros regionais e nacionais e uma página na internet. A Assembléia Legislativa da Bahia, a Câmara de Vereadores de João Pessoa na Paraíba e a Câmara de Vereadores de São Paulo já abriram suas portas para sessões especiais sobre a Lei envolvendo mais de 400 deputados, vereadores, representantes das secretarias de cultura e educação, griôs, mestres, educadores, e estudantes para discutir a lei griô e encaminhar a sua demanda nos orçamentos estaduais.

 Ação Griô na Escola

 Quando implantada, a Ação Griô incentiva, mobiliza, instrumentaliza, empodera e acompanha a circulação dos griôs nas comunidades/escolas e a vinculação dos  currículos de educação formal aos saberes e fazeres da tradição oral da comunidade, fortalecendo a identidade e ancestralidade dos estudantes, educadores e do povo brasileiro. A Ação cria mecanismos para que as comunidades criem uma rede social de base que reconhece e apresenta seus Griôs e Mestres de tradição oral vinculados a griôs aprendizes e a projetos educativos em parceria com pontos de cultura, associações, conselhos de cultura, secretarias de cultura e educação para transmissão oral de seus conhecimentos aos estudantes e a comunidade, com vivências alegres, brincantes, dançantes, cantantes, plenas de práticas pedagógicas de transmissão oral, histórias, saberes e fazeres que encantam as escolas. O saber oral das ervas das benzedeiras e as ciências da flora da região; o saber das parteiras e as ciências da reprodução; o saber das ladainhas da capoeira e a história do Brasil, são exemplos de práticas e assuntos que mudam o currículo e o reconhecimento dos estudantes e da comunidade sobre sua própria identidade e ancestralidade A Pedagogia Griô é uma pedagogia criada a partir da prática pedagógica do Grãos de Luz e Griô, Lençóis Bahia, para mediar a sistematização das práticas e saberes de tradição oral, bem como seus conceitos chaves e seus processos de transmissão e circulação que são reinventados para dialogar com o saber formal nas escolas. Oferece uma iniciação pedagógica da escola e de griôs aprendizes para integrar mito, arte, ciência, história de vida e todos os saberes e fazeres tradicionais da comunidade. Coloca como centro do saber a identidade e ancestralidade dos estudantes, e a vivência, a oralidade, a corporeidade como pontos de partida do processo de elaboração do conhecimento; e os griôs e mestres com protagonistas na elaboração do conhecimento em diálogo com a educação formal. Tem como referências pedagógicas – educadores e pesquisadores brasileiros da educação biocêntrica, da teoria de Paulo Freire, da educação para as relações étnico raciais positivas, e dissertações acadêmicas que já versam sobre a própria pedagogia griô.

Como acontece a ação griô na escola e nas comunidades ? Quando implantada, a Lei apoiará a ação griô na escola: a circulação dos griôs nas comunidades/escolas e a vinculação dos seus currículos aos saberes e fazeres da tradição oral da comunidade, fortalecendo a identidade e ancestralidade dos estudantes, educadores e do povo brasileiro. A Lei criará mecanismos para que as comunidades apresentem aos conselhos municipais de cultura seus Griôs e Mestres de tradição oral. Eles se apresentam vinculados a projetos educativos, associações e a secretarias de educação e passarão seus conhecimentos aos estudantes, com aulas alegres, brincantes, dançantes, cantantes, cheias de histórias que encantam as escolas. O saber oral das ervas das benzedeiras e as ciências da flora da região; o saber das parteiras e as ciências da reprodução; o saber das ladainhas da capoeira e a história do Brasil, são exemplos de práticas e assuntos que mudam o currículo e o reconhecimento dos estudantes sobre sua própria identidade e ancestralidade.

Cortejo da TEIA_Lançamento da Ação Griô

2006

Em 2006, a Ação Griô foi lançada no Encontro Sul Americano de Culturas Populares e na TEIA, além de outros encontros nacionais e regionais, com a distribuição do livro Pedagogia Griô: a reinvenção da roda da vida; a apresentação e distribuição do filme Sou Negro; e a divulgação da página www.graosdeluzegrio.org.br, com a experiência do Grãos de Luz e Griô de Lençóis, Bahia, como referência para todos os pontos de cultura do Brasil. O Grãos de Luz e Griô e o MinC elaboraram e publicaram o Edital Ação Griô nº 01 em 15 de setembro de 2006, aberto aos pontos de cultura do Programa Cultura Viva da Secretaria de Programas e Projetos Culturais do MinC (atual Secretaria da Cidadania Cultural).

LeiGrio-ImgHistoria03

2007 a 2008

De 2007 a 2008, o Grãos de Luz e Griô, em parceria com o MinC, trabalhou com a Ação Griô em 50 pontos de cultura, envolvendo mais de 1000 representantes da rede em 17 encontros regionais e nacionais, sistematizando o livro Nação Griô: o parto mítico da identidade do povo brasileiro, com as vivências e invenções dos pontos da rede; editando o filme Eu Griô; e formando uma rede com 7 equipes regionais de mobilização, articulação e coordenação, formada por 23 pontos de cultura e 50 griôs aprendizes, assessorias pedagógicas, griôs e mestres, produtores culturais e parceiros regionais. Assim nasceu a Ação Griô Bahia ver link www.acaogriobahia.org.br

2008 a 2009

LeiGrio-ImgHistoria04De 2008 a 2009, o Grãos de Luz e Griô, as 7 equipes regionais e o MinC revisaram e lançaram o edital Bolsa de Incentivo Griô, envolvendo 130 pontos de cultura e ONGs do Brasil, criando ainda a comissão nacional de griôs e mestres de tradição oral do Brasil.

2009

LeiGrio-ImgHistoria05Em 2009, o Grãos de Luz e Griô, o MinC e as 7 equipes regionais realizaram o III Encontro Nacional de Planejamento da Ação Griô para criar o processo de mobilização e implementação da lei griô nacional; elaborar 7 projetos para articulação e sustentabilidade da rede a nível regional; lançar o livro Nação Griô e lançar o Edital Griô na Escola e na TV, em parceria com o Ponto Brasil e a TV Brasil.

2010

Ação-griôUm dos maiores resultados qualitativos conquistados em 2010 pela Rede Ação Griô foi a mobilização nacional em busca de 1 milhão de assinaturas para apresentar ao Poder Legislativo Federal o projeto de iniciativa popular: a Lei Griô Nacional, já em tramitação no Congresso através do PL 1.786/2011. O resultado da mobilização gerou a minuta da Lei Griô Nacional que foi eleita na íntegra como uma das 32 prioridades da política do Ministério da Cultura do Brasil na Conferência Nacional de Cultura (março de 2010) entre mais de 600 propostas que envolveu mais de 200 mil dirigentes culturais, representantes de conselhos de cultura e comunidades de base em todo o país.

2011

Comição-dos-Griôs-e-mestresEm 2011, a  Rede Ação Griô criou uma comissão nacional dos griôs e mestres, que em parceria com a coordenação do Grãos de Luz e Griô escreveu a Lei griô e facilitou encontros dialógicos mediados pela pedagogia griô em diversas audiências públicas e diversos encontros no Brasil . Desde as conferências municipais até as territoriais e regionais, a minuta da lei foi eleita prioridade política, chegando à conferência nacional que envolveu mais de 200 mil representantes políticos do Brasil, sendo eleita prioridade política nacional. A minuta da lei griô também foi destaque, a mais votada, na consulta pública do plano nacional de cultura e faz parte do livro que sistematiza o plano a nível nacional. Atualmente a Lei Griô está em tramitação no Congresso Nacional, na Assembléia Legislativa da Bahia, da Paraíba e no Rio Grande do Sul.

2012

Em 2012, a Ação Griô iniciou a execução do projeto de implementação da Universidade Griô que concluirá o convênio até 2013 com 05 Universidades Públicas para realização de Cursos de Extensão e Pós Graduação na Pedagogia Griô (*1) integrados com diversas práticas de diálogo entre tradição oral, educação e cultura digital. Tal ação como as demais geridas pela rede Ação Griô é protagonizada por Griôs e Mestres de Tradição Oral, Griôs Aprendizes e educadoras Griôs em parceria com escolas e Universidades Públicas da rede. O primeiro grande passo da Universidade Griô foi a participação ativa no Fórum de Pró-reitores de Extensão e Cultura para diálogo e implantação de políticas públicas relativas aos cursos de Extensão nas Universidades em diálogo com a  tradição oral brasileira. Os reitores identificam na inciativa da Ação Griô uma estratégia inovadora e concreta para a realização dos objetivos acadêmicos da extensão no Brasil. A Universidade Griô já fechou parcerias e realizou suas primeiras ações com a UFRJ, USP em 2012 e já encaminha parceria com a UFBA, FURG e outras universidades federais para 2013.